Paula Santos em Almada – Levantar problemas concretos sobre a saúde e o regresso às aulas

Delegações de dirigentes do PCP acompanharam ontem, dia 12 de Outubro, a Deputada à Assembleia da República Paula Santos, em várias visitas pelo concelho de Almada.

Durante a manhã, com um périplo por alguns Centros de Saúde do concelho, com a distribuição do documento “Combater a Covid-19, Recuperar atrasos, Garantir o acesso aos cuidados de saúde”, a deputada e as delegações que a acompanharam chegaram à conversa com os utentes no sentido de perceber em que situação se encontra o acesso aos cuidados de saúde primários, na marcação de consultas, marcação de exames, pedidos de medicação, entre outros.
As filas que se prolongam à porta dos centros de saúde e as dificuldades na marcação de consultas e exames são as primeiras e mais frequentes queixas dos utentes.
O documento que fala da necessidade de reforçar o SNS quer para assegurar a capacidade de resposta aos doentes com Covid-19, quer para recuperar a prestação de cuidados que ficaram por realizar teve, durante a acção de contactos de ontem, uma boa aceitação.

De tarde, teve lugar uma reunião com a Direção do agrupamento de escolas do Monte da Caparica, no âmbito do Roteiro da Educação que o partido promove por todo o país durante todo o mês de Outubro e que tem como objectivo Identificar as condições concretas da reabertura das escolas e responder às preocupações concretas da comunidade educativa.
Ficou claro, durante a reunião, que é importantíssimo o regresso das crianças à escola e às salas de aula, sendo a socialização e o ensino presencial parte imprescindível à educação e desenvolvimento das mesmas tanto como à relação destas com os professores e com a escola.
É por isso necessário garantir as condições para que crianças e jovens estejam na escola.

O período de confinamento, com o ensino à distância, fica marcado por um período no qual se acentuaram desigualdades pré-existentes, muito para lá do que toca o acesso aos meios tecnológicos necessários à frequência remota nas aulas. Apesar do parecer positivo com relação à nova relação que se cria, menos formal e mais próxima, entre as famílias e a escola, esta relação permitiu à escola contactar de perto com o agravamento das dificuldades das famílias. Mesmo durante o período em que estiveram fechadas, as escolas, continuaram a fornecer refeições aos alunos em formato de “take away”.

O planeamento do regresso às aulas foi marcado pela organização de percursos, locais de higienização e a procura de soluções para as zonas de recreio e refeições tendo sempre em conta que se está a lidar com crianças e que a pandemia não pode ser impeditiva de uma relação mínima entre as pessoas.

À reunião seguiu-se uma visita à escola Básica Rogério Ribeiro, uma das escolas do Agrupamento. Com a continuação da conversa foram levantadas mais questões concretas relacionadas com o regresso às aulas e foram apresentadas as posições do PCP sempre no sentido de garantir as condições necessárias ao ensino presencial.